angelo_binder_vereador
O Movi_mento 078 é temático e tem a preocupação com a segurança das mulheres corredoras
Logo que anunciei que seria candidato a vereador de Curitiba procurei meus amigos. Um deles foi o advogado trabalhista Juan Carlos Zurita Pohlmann. Ele comentou comigo a importância dos candidatos temáticos nas eleições de 2020. A partir disso, fui atrás de mais informações sobre essa teoria e percebi a necessidade de me posicionar mais fortemente […]

Logo que anunciei que seria candidato a vereador de Curitiba procurei meus amigos. Um deles foi o advogado trabalhista Juan Carlos Zurita Pohlmann. Ele comentou comigo a importância dos candidatos temáticos nas eleições de 2020. A partir disso, fui atrás de mais informações sobre essa teoria e percebi a necessidade de me posicionar mais fortemente em um tema. Sou jornalista esportivo há quase 20 anos, trabalho na comunicação de eventos esportivos - principalmente corridas de rua - e sou maratonista. Acredito na corrida como forma de lazer, saúde, inclusão e até recuperação. Resolvi apostar na corrida! 

Por conta dessa opção, o jornal Bem Paraná, aqui de Curitiba, fez uma reportagem sobre "candidatos de nichos". O Movi_mento 078 estava dentre essas opções. 

O jornal definiu candidato de nicho da seguinte maneira: “Por política de nicho, entenda-se aqui aquelas candidaturas que abraçam causas ou bandeiras bastante específicas na tentativa de conquistar uma parcela pontual, mas não raro bastante significativa do eleitorado. Alguns casos tradicionais são as candidaturas de policiais e militares em prol da segurança pública e de professores em favor da educação. Mas neste ano, a eleição para vereador de Curitiba traz uma fauna política ainda mais variada. Tem candidato nerd, candidato dos maratonistas, candidato indígena até mesmo dos diabéticos.”

Sou maratonista há 15 anos, entro na corrida eleitoral carregando a bandeira dos esportes, uma de minhas maiores paixões. Já completei 10 maratonas, a corrida modifica as pessoas pelo seu caráter democrático, acolhendo cada um dentro de suas limitações, além de ser um esporte motivador.

Vejo muita gente deixando até vícios graças à corrida! Então é um dos motivos para que eu continue. Uma das preocupações que temos é em relação a segurança das mulheres corredoras. Os caras mexem na rua, tem assalto. Não vejo nenhuma política educativa em relação a isso, não adianta apenas colocar um guarda municipal no parque. 

Leia reportagem completa no Bem Paraná.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *